9º EBDQuim teve como tema “Associquim 60 Anos - Distribuição - Sustentabilidade e Inovação”

18/03/2020 - 19:03

Evento aconteceu nos dia 9 e 10 de março, no Hotel Pullman Vila Olímpia, em São Paulo, onde reuniu toda a cadeia de distribuição de produtos químicos e petroquímicos

O 9º EBDQuim, realizado nos dias 9 e 10 de março de 2020, no Hotel Pullman Vila Olímpia, em São Paulo, teve como tema principal “Associquim 60 Anos - Distribuição - Sustentabilidade e Inovação” e reuniu toda a cadeia produtiva de distribuidores de produtos químicos e petroquímicos, como distribuidores, produtores, importadores, transportadores, para apresentação de tendências e desenvolvimento de networking.

O evento, promovido pela Associquim, é consolidado como o único fórum de encontro, discussão e desenvolvimento dos distribuidores de produtos químicos e petroquímicos da América do Sul, que acontece a cada dois anos com a finalidade de discutir tendências, desafios e expectativas do setor, analisando ainda iniciativas que podem ser implementadas para superar barreiras e acelerar o crescimento dessa atividade.

Na abertura do evento, Rubens Medrano, presidente da Associquim-Sincoquim, ressaltou o significado especial dessa edição do evento para a associação e para toda a comunidade da distribuição de produtos químicos. “Há 60 anos, um grupo de empresas idealistas fundaram a Associação dos Importadores e Comerciantes de Produtos Químicos, era muito importante ter importadores, uma vez que na década de 60, tínhamos a indústria ainda em fase incipiente, uma vez que somente na década de 70 os grandes polos petroquímicos começaram a operar. Tivemos um papel muito importante nessa fase, pois a distribuição, que antes representava os canais de importação para suprir a indústria local, passou também a ser um canal para as indústrias nacionais que aqui se instalaram. Neste período, qualquer entidade, seja de empresas ou privada que completa 60 anos no Brasil tem que ser considerada e elogiada.”

Medrano também mencionou o momento atual vivido no Brasil. “Já passamos por tantas crises, como a que atualmente estamos passando, e tenho certeza que nós vamos passar por essa também, como sempre fizemos. A Associquim não tem poupado esforços em prestar e estar junto de seus membros em todos esses momentos, e nos sentimos extremamente honrados com a confiança e com todo suporte que os senhores nos tem prestado durante todos esses anos.”

O presidente da Associquim-Sincoquim ainda destacou os dois painéis que aconteceram durante o evento. “Temos dois painéis com os temas: sustentabilidade e inovação. O tema sustentabilidade não é algo novo, inclusive, em 2002, durante o EBDQuim realizado na Ilha de Comandatuba (BA), foi lançado o Prodir - Processo Distribuição Responsável -, já naquela época havia uma preocupação da distribuição dos químicos na sustentabilidade. O Prodir, que teve sua origem no Canadá e Estados Unidos, foca na distribuição de produtos químicos, no homem, na comunidade, no transporte, na armazenagem etc. E muito importante também salientar que nossa grande parcela de clientes é o pequeno e médio industrial, que tem carências. Não só fazemos ‘dentro da nossa casa’, mas também levamos o exemplo a milhares de indústrias num país de dimensões continentais, como o Brasil, ajudando aquele pequeno e médio industrial nos seus princípios mínimos de como deve-se manusear e os cuidados que devem ter com os produtos químicos. Tratamos os resíduos, cuidamos do meio ambiente, evitamos expor os resíduos e realizamos o seu aproveitamento.”

Além disso, Medrano ressaltou que a entidade presta uma grande colaboração às autoridades distribuídas pelo país que cuidam da área do meio ambiente. “A partir do momento que fazemos o nosso trabalho interno e divulgamos perante a nossa comunidade, também estamos colaborando com as autoridades. Portanto, temos que agradecer, por todo reconhecimento que temos recebido por sermos distribuidores Prodir. A Cetesb, Corpo de Bombeiros e outras entidades souberam reconhecer esse nosso trabalho, na qual temos uma parceria muito importante nesse sentido e, assim, pretendemos continuar.”

O 9º EBDQuim contou com importantes palestrantes, inclusive, do exterior, ressaltou Medrano, em seu discurso. “Trouxemos grandes palestrantes, que abordam a nova era que estamos vivendo, que é a globalização, da evolução tecnológica, inteligência artificial, indústria 4.0, ciência dos dados, digitalização, tudo isso são palavras bonitas e soam bem, mas a distribuição de produtos químicos está consciente que tem que se inserir neste novo universo que está se criando. Não podemos ficar a margem de toda essa evolução tecnológica, alguns dizem que inovação é uma atitude defensiva do empresário, o que pode ser, pois a partir do momento que ele não se defende perante o mercado, a tendência é perecer. Então, além da parte defensiva, a distribuição é logística. E o grande segredo do distribuidor e da logística é ter o produto certo, na hora certa, na quantidade certa, para que não falte para o pequeno, médio e até o grande consumidor. A distribuição é modesta e na sua modéstia, às vezes, não consegue transmitir a grandeza do seu trabalho, mas com certeza tem um papel muito importante na cadeia produtiva e isso tem um preço que não podemos quantificar.”

Em seguida, na palestra solene, José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados, falou sobre a situação econômica mundial. “Estamos vivendo um momento que o crescimento da economia deste ano será revisado, infelizmente, para baixo. Além disso, primeiramente gostaria de salientar que hoje está claro que a política econômica liberal de Paulo Guedes tem limites no governo Bolsonaro e as reformas tem risco de paralisação. Segundo, o momento atual da política econômica não é o melhor: o impacto do baixo crescimento de 2019 foi muito forte. Terceiro, o Ministro da Economia deveria ser mais cuidadoso em suas falas, pois tudo que ele fala é anotado, levado à sério, não dá para fazer citações em tom de brincadeira e assuntos que não devem ser ditos, pois se torna um problema. Por exemplo, o Ministro da Fazenda não pode falar de câmbio, isso é trabalho do Banco Central. Mas tem um fator importante acontecendo, o Congresso ainda trabalha por reformas. É indispensável uma resposta organizada do governo ao novo cenário global.” Ele ainda encerrou dizendo que existe um fator positivo que deixa uma certa tranquilidade, embora o crescimento não seja como todos imaginavam. “O país avançou muito. Há uma grande convergência na agenda necessária para voltarmos a crescer e muitas coisas já estão acontecendo, como por exemplo, a aprovação da lei das terras, que retornará o volume de investimento interno este ano. Esta agenda tem condições de levar a uma recriação de mais confiança para voltarmos a crescer. Perdemos mais uma oportunidade, mas não perdemos a direção. Espero que no próximo EBDQuim essa direção tenha sido reencontrada.”

Logo após, a palestrante Patrícia Iglecias, presidente da Cetesb - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, falou sobre os “Temas regulatórios no conceito de empresa digital”, destacando que a Cetesb vem ampliando os canais de comunicação com o setor produtivo paulista, com a implantação de Câmaras Ambientais, um importante fórum de debates entre o setor industrial e o órgão ambiental, onde se discutem alternativas viáveis de prevenção e controle de poluição dentro dos princípios do desenvolvimento sustentável.

Já Aurélio Amaral, diretor da ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, abordou “Solventes - Regulamentação na visão da ANP”, onde falou sobre o atual momento vivido no país, principalmente, com o preço do barril de petróleo que despencou, o dólar que aumenta a cada dia, e toda essa confusão com o CoronaVírus. “No meio de tudo isso, vemos uma reforma estrutural do setor de petróleo, gás e de biocombustíveis no Brasil, dado o reposicionamento da Petrobras, que acredito que seja o principal tema regulatório e que vai envolver todo o setor de distribuição, pois vai impactar diretamente nos negócios em médio e longo prazos, modificando a estrutura do mercado brasileiro e de combustíveis como um todo e atingirá muito este setor.”

O palestrante seguinte foi Peter Newport, diretor executivo da CBA - Chemical Business Association - UK, que ressaltou a “Digitalização dos transportes perigosos” e a importância do desenvolvimento sustentável. “Todas as decisões de sustentabilidade envolvem o equilíbrio de necessidades aparentemente conflitantes entre os três pilares da sustentabilidade: a melhoria da sociedade, do ambiente e da economia. Existe uma prioridade maior no ambiente global, no consumo de energia e em um futuro sustentável. Também uma crescente preocupação com substâncias tóxicas, esgotamento de recursos e pegada ecológica das atividades humanas. Além da preocupação com a mudança climática, que também está crescendo e gerando um interesse crescente em economias de baixa energia e baixo carbono.” Ele ainda destacou sobre a economia circular. “É preciso manter os recursos em uso pelo maior tempo possível, extraindo o valor máximo deles enquanto estiverem em uso, depois recuperndo e regenerando produtos e materiais ao final de cada vida útil.”

A penúltima a se apresentar foi Renata Milanese Sorbo, diretora de Go to Market da BASF, que trouxe a visão de negócio da companhia e de como a inovação, hoje, tem que ser vivenciada por todos. “Gostaria de destacar a estrutura de capitais, as indústrias precisam ter um bom modelo de governança e não podemos esquecer que existe uma revolução tecnológica que estamos vivendo.” Ela ainda falou que os marcos regulatórios e as dificuldades da indústria em geral são barreiras que temos que transpor por um minuto. “No final, o que mais vale é atuarmos de forma responsável e segura, e tenho certeza que a evolução digital vai acontecer antes do que imaginamos.”

O último palestrante, Júlio Natalense, líder de sustentabilidade para a América Latina da Dow, mostrou algumas das prioridades em sustentabilidade, trazendo os benefícios das ferramentas digitais, exemplificando alguns desses pontos com projetos realizados dentro da Dow. “No início deste ano, o Fórum Econômico Mundial publicou um documento com os principais riscos esperados para 2020, sendo que a probabilidade deles ocorrerem, pelo menos os cinco primeiros riscos, tem a ver com mudanças no meio ambiente, principalmente decorrentes das mudanças climáticas. Alguns desses riscos estão ligados ao mundo digital, como roubo e fraude de dados. Com este cenário, em especial, a Dow, desde o ano passado, divulgou sua ambição de se tornar uma empresa de ciência dos materiais mais inovadora, centrada no cliente, inclusiva e sustentável do mundo.”

Segundo dia

O 9º EBDQuim iniciou seu segundo dia com a palestra solene de Guenther Eberhard, senior & managing partner - DistriConsult, que abordou o tema “Digitalização na distribuição de produtos químicos. Onde está a realidade hoje?”, dando dicas de como pode-se melhorar a distribuição hoje. Ele ressaltou temas, como Química 4.0: Economia circular e sustentabilidade; digitalização na indústria de distribuição de produtos químicos; mercados digitais (plataformas); e os desafios e oportunidades para os distribuidores. E finalizou dizendo: “Seja o parceiro de escolha da transformação digital para seus clientes.”

Em seguida, foi realizado o painel “Globalização - Distribuição no mundo”, no qual Guenther Eberhard foi moderador. A apresentação começou com o palestrante Robert Stuyt, secretário geral da ICTA - International Chemical Trade Association, que enfatizou o papel da distribuição que é de agregar valor aos mercados, a importância da digitalização na geração de novos negócios (aumento de vendas e simplificação de custos), a utilização de plataformas para a digitalização. Além disso, destacou que a ICTA tem a missão de representar os interesses da cadeia de distribuição.

Na palestra de Guillermo Laborato, CEO para América Latina Sul da Brenntag, destacou o grande papel da distribuição de produtos químicos, que é a logística e que continua sendo extremamente importante. “Os desafios neste setor são a logística e a infraestrutura, nas quais é preciso ter investimentos contínuos, inclusive, em segurança. Além disso, é muito importante demonstrar valor ao cliente, com eficiência, competitividade e inovação.”

Já Jorge Buckup, presidente para América Latina da Univar Solutions, enfatizou que todo o setor está cada vez mais confrontado com as evidências dos efeitos das mudanças climáticas, impactando diretamente a cadeia de suprimentos, reforçando a necessidade de tomar ações, minimizar os riscos e se preparar para essas mudanças. “Nós da Univar Solutions criamos nosso papel para garantir sucesso contínuo e procurando sustentabilidade nos negócios, inclusive temos ações internas ou com clientes e fornecedores quanto às questões sustentáveis, minimizando e impedindo impactos ambientais; e socialmente protegendo a saúde, os direitos e o bem-estar de todos.”

Na palestra seguinte, Nicolas Kaufmann, diretor geral da IMCD Brasil, enfatizou o rápido crescimento de sua companhia, os diversos laboratórios espalhados pelo mundo e a importante atuação no Brasil, após a aquisição da Makeni. “É muito importante para nós compartilhar experiências de fora, como da Europa, especialmente, nos aspectos de digitalização, globalização, inovação e sustentabilidade. A digitalização é muito importante para a IMCD e a inovação vem da expertise que está dentro da nossa empresa.”

O evento foi encerrado com a palestra de Rodrigo Gutierrez, diretor geral da GTM Chemicals / quantiQ, que destacou a  missão de sua empresa. “Somos o elo entre clientes e produtores químicos por meio de soluções sustentáveis. Para isso, estamos posicionados estrategicamente em toda a América Latina, com 45 instalações. Especialmente no Brasil, estamos presentes em todos os Estados, com cinco instalações e seis bases logísticas. Não somos uma empresa global, mas sim uma companhia latino-americana. Nosso negócio e foco de atuação são a América Latina.” Além disso, ele fez um panorama do setor. “Vemos na América Latina uma evolução muito rápida, quando olhamos para um cenário de cinco anos atrás em países menores, como Nicarágua, Guatemala, El Salvador, as questões regulatórias eram pouco relevantes, porém, hoje são extremamente fortes, o que tem permitido a realização de grandes investimentos em todos esses países, inclusive no Brasil; e estamos cada vez mais preparados para atender nossas representadas e clientes, com os melhores padrões de segurança, armazenamento, de qualidade e respeito ao meio ambiente.”

Em seu discurso final, o presidente da Associquim falou sobre os principais assuntos abordados no 9º EBDQuim, como a inovação e sustentabilidade, e ressaltou a importância e o papel do ser humano nesse setor. “A distribuição é um tema importantíssimo e é preciso atrair os jovens para este setor. Hoje, a distribuição tem um material humano riquíssimo e sabemos que temos que reeducá-los para podermos enfrentar todos os desafios e as oportunidades da inovação. Temos que nos preocupar cada vez mais com o ser humano. Enfim, o EBDQuim é um moinho de informações para todo o setor. Geramos as informações, dúvidas e desafios, e agora cabe a cada distribuída analisar e aproveitar tudo que foi discutido no mais alto nível, com grandes palestrantes, tanto do Brasil, quanto do exterior. Com isso, cumprimos nossa obrigação. Agora, é claro, cabe a cada empresa se adaptar da melhor maneira às suas necessidades.”

  Mais notícias