AkzoNobel anuncia programa colaborativo de inovação

19/11/2019 - 15:11

Brasil será primeiro país que receberá o desafio regional para startups

A AkzoNobel acredita e investe em inovação, por isso, a empresa anuncia a ampliação de seu programa colaborativo para pensar em soluções para a cadeia produtiva dos segmentos de tintas e revestimentos. O Brasil será o primeiro país a receber uma versão regional do desafio Paint the Future, cuja primeira edição global aconteceu este ano. Os temas do Paint the Future - Startup Challenge Brazil, nesta edição com foco em startups, serão conhecidos ainda este ano, e a plataforma online estará aberta para inscrições de propostas em março de 2020.

“Acreditamos fortemente no potencial inovador do mercado brasileiro. Desenvolvemos projetos de alta tecnologia e temos contado com ótimos parceiros no País, que está entre os cinco mais importantes para a nossa empresa”, comenta Thierry Vanlancker, CEO global da AkzoNobel, com mais de 28 anos de experiência na indústria química. “Basta lembrar que Wanda, uma marca brasileira, ganhou o mundo, em uma trajetória de sucesso desde 1974 ao lado da AkzoNobel - que constantemente trabalha em melhorias para essa marca que inspira confiança no ramo automotivo”, completa Vanlancker, que esteve em outubro no Brasil para palestrar sobre criação de valor na cadeia produtiva de tintas com inovação e colaboração.

Do global para o regional

O pioneiro desafio global de inovação Paint the Future conta com cinco acordos comerciais sendo concedidos pela AkzoNobel no evento de aceleração realizado em maio de 2019, na Holanda. A iniciativa atraiu 160 inscrições, entre elas as 21 startups pré-selecionadas que tiveram a chance de colaborar com especialistas do setor e aprimorar suas soluções. “Os acordos são os primeiros a emergir de um novo ecossistema de inovação que nos ajudará a ampliar ainda mais os limites da indústria de tintas e revestimentos e a atender melhor às necessidades dos clientes”, afirma Thierry Vanlancker. Para Klaas Kruithof, diretor global de tecnologia da AkzoNobel, o segmento de tintas e revestimentos está pronto para a próxima revolução. “Tintas e revestimentos estão à sua volta - e você provavelmente está a um metro de nossos produtos, não importa onde esteja. Nesse aspecto, tudo o que você vê e o que toca é uma oportunidade”, comenta. Kruithof também destaca o aprendizado da primeira edição do programa, o que motivou novas iniciativas, como os desafios regionais. “Como empresa, aprendemos mais sobre novas possibilidades em nosso setor, nos preparando para acelerar e ajudar os outros. Claramente, adotar uma abordagem multifuncional nos ajuda a tomar decisões e acelera todo o processo de trabalho conjunto. E o compromisso contínuo da gerência de nível superior era vital para ser visto como um valioso parceiro de inovação”, afirma Kruithof, que conta que, no dia seguinte ao evento final, a AkzoNobel se reuniu com cada startup vencedora e assinou uma carta de intenções. “Levamos a sério o estabelecimento de colaborações bem-sucedidas. Criamos equipes de risco compostas por membros multifuncionais e agora temos um processo legal acelerado para acordos de desenvolvimento conjunto”, conta, demonstrando a importância desse desafio para a empresa.

Agora ainda mais preparada para compartilhar ideias e colocá-las em prática, a AkzoNobel propõe a regionalização da iniciativa como forma de abrir portas para novas e mais diversificadas possibilidades. “No concurso global, os inscritos eram convidados a inovar em categorias como aplicação inteligente e soluções sustentáveis. No Brasil, o formato será semelhante, mas com temas que reflitam a realidade e necessidades locais”, explica Daniel Geiger Campos, presidente da AkzoNobel para a América do Sul. Presente em mais de 150 países e com 34.500 funcionários, a AkzoNobel investiu cerca de € 1.25 bilhão em pesquisa e desenvolvimento nos últimos cinco anos. São mais de 3.100 patentes pertencentes à empresa, 3.000 cientistas e 70 laboratórios ao redor do mundo. Dicas no evento para demarcação. Cada segmento é direcionado para seguimento diretor, na verdade não. O mesmo acontece quando a empresa é eleito.

  Mais notícias

Coral Sayerlack Anuncie aqui